A maior ação de comunicação do mundo

Nesta sexta-feira, dia 02 de outubro, o COI (Comitê Olímpico Internacional) anunciará, em Copenhague, a cidade que receberá os Jogos Olímpicos de 2016. Tóquio, Madrid, Chicago e Rio de Janeiro são as candidatas finalistas e, segundo analistas, a representante brasileira desponta como favorita, juntamente com a americana Chicago.

Sérgio Cabral (3° da esq. p/ a dir.): "O papel que era do Obama na campanha presidencial agora é nosso. Fazemos o mesmo discurso dele: nos deem esta chance."

Sérgio Cabral (3° da esq. p/ a dir.): "Fazemos o mesmo discurso dele (Obama): 'nos deem esta chance'."

Esta é a terceira investida carioca nas últimas duas décadas, já que postulou, sem sucesso, ser sede dos Jogos de 2004 (realizados em Atenas) e de 2012 (que acontecerão em Londres – vídeo abaixo). Antes disso, o Rio já havia se candidatado à sede dos Jogos de 1936, que foram realizados em Berlim. E, no melhor estilo Barack Obama, eis o discurso da comitiva brasileira: “Sim, nós podemos receber os Jogos”.

É fato que a importância dos Jogos Olímpicos extrapola (e muito) o âmbito esportivo. Em seus primórdios, na Antiguidade, as disputas tinham forte caráter religioso, de culto a deuses pagãos, além de denotarem também a valorização da beleza estética.

Já em sua versão moderna, iniciada em 1896, em Atenas, o caráter religioso e o culto ao corpo deixaram de ser levados em consideração. Em contrapartida, os Jogos adquiriram fortes contornos de embate político-ideológico, no intuito de mostrar e/ou reafirmar a soberania e a visão de mundo das nações vencedoras.

Há, no entanto, outro ponto muito interessante a ser analisado na Era Moderna das Olimpíadas: a grande importância de ser sede dos Jogos. Não são poucos os exemplos de que, mais do que a maior competição esportiva do mundo, as Olimpíadas configuram também a maior ação de Comunicação do mundo.

Tal enfoque requerer que consideremos uma premissa fundamental da comunicação: é imprescindível que ela esteja alicerçada sobre pilares sólidos, pois só assim a mensagem que se pretende passar poderá se sustentar. E, claro, quando não há esta base de sustentação, os argumentos acabam, invariavelmente, sendo contraditos. Isto é inevitável. Duas edições, especialmente, me vêm agora à mente para exemplificar os ruídos que podem ocorrer caso não haja uma base efetivamente sólida para a mensagem que se quer passar.

Em 1936, Berlim foi a sede dos Jogos. Numa Alemanha em franco crescimento e com o Nazismo amplamente aceito e difundido, não é difícil imaginar que a propaganda nazista se apropriaria dos Jogos com o intuito de mostrar ao mundo o poder do III Reich e a supremacia da raça ariana. Pois bem, coube a um jovem afro-americano conferir um emblemático golpe àquela mensagem: Jesse Owens conquistou 04 medalhas no atletismo e levou Hitler e Cia. à loucura.

Jesse Owens: um "ruído" incontestável na mensagem do III Reich

Jesse Owens: um "ruído" incontestável na mensagem do III Reich

72 anos mais tarde, as Olimpíadas tiveram como sede a mais nova potência mundial: a China. Os Jogos de Pequim-2008 tinham a intenção inegável de mostrar ao mundo que a China era sim a mais nova superpotência mundial. Nada melhor, então, do que impressionar pela organização, pelas magníficas arenas e por um invejável desempenho esportivo. No entanto, a grandiosidade do espetáculo não foi suficiente para passar a borracha na ampla falta de liberdade de expressão sustentada pelo governo e tampouco deixou passar batido questões como a poluição, que chegou até a por em xeque a realização de algumas modalidades. Logo, nem o grande investimento feito se mostrou capaz de sustentar uma mensagem não completamente condizente com a realidade.

Agora pode ser a vez da tese canarinha ser posta em xeque. O “sim, nós podemos” verde e amarelo saberá, dentro de algumas horas, se terá uma chance de ser testado – caso o Rio seja eleito sede das Olimpíadas de 2016 – ou se não passará de um discurso derrotado no pleito do COI.

Caso nos seja dado o direito/obrigação de realizar este evento, creio que imediatamente uma pergunta estará à espera de resposta: “Sim, nós podemos. Mas a que custo?” Sem pretender ser irônico, mas sendo, digamos, sutilmente tendencioso, acho válido lembrar que já temos a bagatela de R$ 150 milhões, provindos dos cofres públicos, para serem considerados nesta resposta. Enfim, nos resta, agora, esperar e torcer (?)…

Rodrigo Pezzotta

Anúncios

1 Response to “A maior ação de comunicação do mundo”


  1. 1 Bianca Duarte 13/02/2010 às 18:39

    Rodrigo,
    Seus textos são incriveis!
    Adoro o seu senso critico e a sua maneira de se expor.
    Sobre Rio 2016, espero que o Brasil faça bonito sim, mas principalmente, que nós possamos continuar desfrutando de todo esse investimento para alem disso, depois de 2016 ..
    Parabens!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s





%d blogueiros gostam disto: